Governador Flávio Dino trata encontro com José Sarney como maior acontecimento de sua vida desde que entrou na política e ex-presidente faz de conta que não existiu

Flávio Dino guarda em segredo o que falou com Sarney
Desde a visita de quarta-feira (26) - ainda não convincentemente explicada sob a qual motivo - ao ex-presidente José Sarney (MDB), o governador Flávio Dino (PCdoB) e seus aliados políticos, além de jornalistas, blogueiros e radialistas que o enaltecem, vêm dando a este encontro uma dimensão surpreendente, como se fosse o fato mais importante do ano e que vinha sendo ansiosamente aguardado há muito tempo.

O primeiro se pronunciar sobre o ocorrido foi o próprio governador, minutos depois de deixar a residência do ex-presidente em Brasília (DF). Quem publicou na frente dos demais comunicadores teve seu trabalho classificado como Fake News, o modo operandi mais comum nestes tempos para se tentar desqualificar uma informação desagradável, por mais que seja verdadeira.

Depois de confirmada a veracidade do fato, os que chamavam de fake passaram a dar a versão de que houve um encontro de estadistas, ou seja, aquele que até uma semana atrás era o mais ultrapassado oligarca do Brasil, o grande responsável por tudo de ruim que existe no Maranhão, passou a ser visto como um político tão decente a ponto de ter chegado ao nível de Flávio Dino para uma conversa de alto nível, para juntos buscarem a salvação nacional. Não faltam os que dizem ter sido uma conversa sobre eleição presidencial, isto é, Flávio Dino correndo atrás do apoio daquele que dizia, com tanto gosto, ter dizimado da política com sua vitória em 2018.

José Sarney mantém silência sobre o fato como se ele nunca tive existido
O que mais chama atenção nisso tudo é que enquanto um lado comemora tanto essa visita, do outro ela é tratada como se nunca tivesse existido. Dizem até que a pressa de Flávio Dino em dar a informação sobre a visita foi se antecipar à versão do Sistema Mirante e jornalistas alinhados ao Grupo Sarney, mas pelo menos no que se percebeu em vontade do "oligarca" para explorar o fato, nada a revelar. Em seu site - www.josesarney.ogr.br - e nas suas crônicas, nenhuma linha, enquanto os veículos de comunicação da família trataram com muita discrição: uma nota na coluna Estado Maior, em O Estado do Maranhão, e uma reportagem de rodapé sobre repercussão na Assembleia Legislativa, onde comunistas, petistas e outros istas de "esquerda" se deleitaram com o acontecido, e só.

Engana-se quem pensa que o assunto se esgotará neste domingo, com a entrevista ao Jornal Pequeno, pois isto ainda será tema de debates até o Natal e Réveillon, como se o governador tivesse, finalmente, conseguido o que mais perseguia desde que deixou a magistratura em 2006 para entrar na política: ter a oportunidade de também se aproximar de José Sarney, assim como já haviam feito quase todos os políticos que o cercam e ajudam a formar o grande grupo que estaria empenhado em salvar o Maranhão. Só faltava ele, mas esse dia chegou.

Antes se diz que do Grupo Sarney ainda não haviam se alinhado a Flávio Dino apenas José Sarney e os filhos Roseana e Sarney Filho, pois os demais - deputados, senadores, vereadores, prefeitos, ex-secretários etc - todos já estavam sob o manto do Palácio dos Leões.

Nova política, velhas práticas!

Fonte: Blog do Aquiles Emir

Postar um comentário

0 Comentários