quinta-feira, 21 de março de 2019

Horror! Mulher dá à luz, enterra o recém-nascido, vivo, porcos o encontram e “devoram” partes do bebê

Horror! Mulher dá à luz, enterra o recém-nascido, vivo, porcos o encontram e “devoram” partes do bebê
Em Camocim, Raimunda Laurinda da Silveira, de 25 anos, a mulher que deu à luz uma menina e a enterrou em cova rasa, foi autuada em flagrante por infanticídio. 
O fato, que ainda está chocando a população, aconteceu na tarde desta quarta-feira (20), na pacata comunidade ribeirinha de Buriti. 
Entenda o caso
Após parir, sem nenhum tipo de assistência médica e sem ninguém por perto, Raimunda enterrou a criança, ainda viva, em cova rasa. 
Algum tempo depois, populares, intrigados com a movimentação intensa de alguns animais, encontram a criança  já sem vida, sendo devorada por porcos. 
Isso aconteceu após Raimunda ter sido encontrada toda ensaguentada. De acordo com alguns relatos de moradores, apesar de já ser mãe de duas filhas, a mulher escondia a terceira gravidez. O Delegado de Jijoca, que atendeu a ocorrência, entendeu que Raimunda praticou o crime de infanticídio. A pena, caso seja condenada, é de 2 a 6 anos.  

Hospital Albert Einstein processa o ator Zé de Abreu por mensagem em rede social

Hospital Albert Einstein processa o ator Zé de Abreu por mensagem em rede social
Crédito: Reprodução/Twitter

O Hospital Albert Einstein, localizado em São Paulo, entrou com uma ação de indenização por danos morais contra o ator Zé de Abreu por conta de uma postagem feitam em uma rede social no início deste ano e que a instituição considerou difamatória. As informações são do jornalista Ricardo Feltrin, do UOL.
Na ocasião, Zé de Abreu disse que a facada sofrida por Jair Bolsonaro (PSL) durante a campanha eleitoral tinha sido elaborada por grupos israelenses e, assim, ajudaria na eleição do agora presidente da República. Ele é acusado de difamação, ofensa e antissemitismo.
“Teremos um governo repressor, cuja eleição foi decidida numa facada elaborada pelo Mossad [serviço secreto israelense], com apoio do Hospital Albert Einstein, comprovada pela vinda do primeiro-ministro israelense, o matador e corrupto Bibi. A união entre a igreja evangélica e o governo israelense vai dar merda”, escreveu o ator.
O hospital solicita indenização no valor de R$ 100 mil para desestimular que outras pessoas repitam atitudes e postagens como a do ator. A ação movida pelo hospital, e já recebida por Zé de Abreu, afirma que “o réu seria alguém carente de discernimento, um deficiente mental, para usar a terminologia da lei civil”.
Fonte: Isto É

quarta-feira, 20 de março de 2019

Vídeo com menino sendo agredido em escola circula nas redes sociais

Vídeo com menino sendo agredido em escola circula nas redes sociais
Estudante sofre violência

Estudante sofre violência

Reprodução
Volta a circular pelas redes sociais um vídeo em que é possível ver um estudante sendo agredido por colegas em uma escola. A violência das imagens impressiona e traz à tona a discussão sobre bullying e ciberbullying, uma vez que toda a agressão é filmada.
"É importante perceber que a escola muitas vezes é um ambiente hostil para os jovens, não é um lugar acolhedor, sobretudo não tem escuta", diz Marcus Faustini, criador da Agência de Redes para Juventudes e especialista em jovens e educação. "A escola não é uma ilha, ela reflete o momento da sociedade que estamos vivendo. E não podemos só culpar a escola, precisamos, sim, debater a fundo esses fenônemos de violência, temos de observar que a escola está virando um lugar de acirramento das disputas que vivemos hoje e não um espaço de prazer e acolhimento das diferenças".
O vídeo foi feito na Escola Armando da Costa Brito, em Ipojuca, região metropolitana de Recife.
Para a psicopedagoga e diretora do Neuroconecte, Alcione Marques, a escola precisa rever o seu papel diante de uma sociedade em constante mudança. "Toda a complexidade das relações se manifesta na escola, precisamos estabelecer regras claras de convívio, de respeito", diz. "É preciso ter cuidado com as relações, sabemos que a aprendizagem só ocorre se houver um clima positivo, um espaço onde o aluno se sente seguro — do ponto de vista psicológico também."
Outro aspecto apontado por Alcione é que medidas devem ser tomadas antes da violência acontecer, é preciso evitar que crianças e adolescentes sejam expostos a situações humilhantes. "Vivemos uma crise de autoridade, temos professores desprestigiados e frustrados, que precisam ter apoio e preparo, também é necessário que a escola saiba estabelecer regras e o aluno entenda que suas ações têm consequên
Nesse processo, toda a comunidade deve ser envolvida: família, alunos e professores. "Só punir é enxugar gelo e jamais sairemos desse ciclo, é fundamental que todos sejam envolvidos e façam a sua parte para uma convivência melhor". Marcus Faustini lembra que é fundamental dar voz aos alunos, ouvir os jovens, muitas vezes esquecidos nas discussões sobre eles mesmos. "Existem muitas iniciativas dentro de escolas que apostam nesse caminho e elas têm que ser reconhecidas e valorizadas", ressalta.
Reflexo
A violência deixa marcas profundas e gera efeitos negativos na estima de quem sofre um episódio como o observado no vídeo. "O adolescente está em processo de formação e desenvolvimento da sua identidade, as agressões podem aumentar a insegurança, o medo e a ansiedade, além de poder levar ao isolamento". O aluno precisa de proteção da escola e acompanhamento de profissionais da saúde, como psicólogos, para saber lidar com uma manifestação tão grave de violência psíquica.
De acordo com informações de um funcionário da escola, após a circulação do vídeo, os pais foram chamados e a comunidade envolvida para resolver o problema. Conselho tutelar e profissionais de saúde também foram acionados. Os estudantes participaram de palestras sobre bullying e violência e aulas de judô e de jiu-jitsu fazem parte da grade escolar como forma de canalizar a agressividade dos alunos. 

Ainda segundo esse funcionário, o estudante agredido continua com apoio psicológico e trocou o turno.
R7

Veja Vídeo: Mãe raspa o cabelo da filha ao descobrir mensagens íntimas no celular dela

O vídeo é chocante, com tesoura nas mãos e cega de raiva, a mãe corta mecha por mecha do cabelo da filha. A garota de apenas 13 anos chora e implora para que a mãe pare, mas não adianta, ela ainda exige que tudo seja gravado em vídeo. O registro parece ter sido feito por uma criança.
Apesar de todo constrangimento, a mãe ainda publica o vídeo nas redes sociais. As cenas, é claro, chocaram a todos. Assista:
De acordo com o Conselho Tutelar, que tomou as medidas cabíveis, a mãe fez o que fez com a filha após descobrir que a menina estava compartilhando nudes na internet.
Segundo o Conselho, no primeiro momento a mãe teria batido na filha com alguns tapas e, após a menina ter voltado da escola, a mãe em surto de raiva raspou a cabeça da adolescente, como meio de punição.
O padrasto contou que o fato foi isolado, que a mulher é amorosa com a filha e que está arrependida.
A mãe de 30 anos e que tem dois filhos, a princípio foi presa em flagrante e indiciada por crime de tortura e lesão corporal. Ela vai responder em liberdade pelo ato. R7
Via Itambé Agora

terça-feira, 19 de março de 2019

Jovem sofre tentativa de estupro em quintal, é esfaqueada e morre em hospital

Jovem sofre tentativa de estupro em quintal, é esfaqueada e morre em hospital

Mãe flagrou homem armado com faca, com as calças abaixadas, em cima da vítima esfaqueada. Jovem foi atacada no quintal de casa quando fumava um cigarro.

Emily Tawanne da Silva Rodrigues, de 20 anos, foi morta a facadas em Sinop — Foto: Facebook/Reprodução
Emily Tawanne da Silva Rodrigues, de 20 anos, foi morta a facadas em Sinop — Foto: Facebook/ReproduçãoEmily Tawanne da Silva Rodrigues, de 20 anos, foi morta a facadas em Sinop — Foto: Facebook/Reprodução
Emily Tawanne da Silva Rodrigues, de 20 anos, foi morta a facadas em Sinop — Foto: Facebook/Reprodução
Uma jovem morreu nessa segunda-feira (18) depois de supostamente ter sido vítima de uma tentativa de estupro e ser esfaqueada no quintal da casa dela em Sinop, a 503 km de Cuiabá.
Segundo informações da Polícia Civil, Emily Tawanne da Silva Rodrigues, de 20 anos, foi morta a facadas no Bairro Sebastião de Matos 2, em Sinop.
A mãe de Emily contou à polícia que a filha estava em casa e saiu no quintal para fumar um cigarro. A testemunha ouviu gritos e, ao ir até o quintal, viu um homem armado com uma faca, com as calças abaixadas, em cima da jovem.
A mãe da vítima começou a gritar e o suspeito a perseguiu com a faca. A testemunha tentou se esconder, começou a gritar novamente o suspeito fugiu. Emily estava com várias facadas pelo corpo e foi levada pela mãe para dentro de casa.
A jovem foi socorrida por familiares, encaminhada posteriormente pelos bombeiros até o Hospital Regional de Sinop. Ela não resistiu e morreu durante o socorro. O suspeito era moreno, usava camiseta branca e uma calça social preta.
A polícia fez buscas na região onde o crime aconteceu, mas o suspeito não foi localizado. O caso será investigado pela Polícia Civil de Sinop.
Emily deixa uma filha. O velório começou às 19h de segunda-feira no Memorial Luz e Vida e o corpo deve ser enterrado às 16h30 desta terça-feira (19) no cemitério municipal.
Do G1

domingo, 17 de março de 2019

Crueldade! Homem Derruba A Ex-Esposa De Moto E A Mata Com Machadadas Na Frente Do Filho De 15 Anos

Um pedreiro de 39 anos foi preso na madrugada deste domingo (17) após confessar ter matado a ex-esposa, de 34 anos, em Costa Rica, a 338 quilômetros de Campo Grande/MS. De acordo com a Polícia Militar (PM), ele disse que agiu por ciúmes e que ficou transtornado.
O crime aconteceu logo após à meia-noite, na frente de um dos filhos dos envolvidos, de 15 anos. O adolescente estava com a mãe em uma motocicleta quando o pai os fechou com o carro que dirigia e ambos caíram.
O pedreiro então desceu do veículo e deu vários golpes de machadinha na ex-mulher, ainda na calçada. Mesmo ferida, ela conseguiu correr para uma pizzaria em frente, o ex a alcançou, a atingiu com mais golpes e fugiu.
A polícia foi acionada, testemunhas descreveram o suspeito e o veículo dele, e ele foi então encontrado quase em frente à Delegacia de Polícia Civil. Ele confessou o crime e disse que agiu por ciúmes.
A mulher e o filho foram socorridos para o hospital. Ela morreu na ambulância da unidade de saúde quando seria transferida para Campo Grande devido à gravidade dos ferimentos. O adolescente teve escoriações em função da queda da moto.
Conforme a polícia, o crime aconteceu logo após pais e filhos terem saído de uma festa de aniversário de um pastor da igreja que frequentavam. A mulher ficou responsável pelo adolescente e o ex deixou o outro filho na casa de uma avó. Em seguida, houve o feminicídio.
Segundo a PM, o casal estava separado havia alguns meses, o homem não aceitava o fim do relacionamento e teria ficado com ciúmes da ex. A machadinha utilizada pelo pedreiro no crime foi apreendida. No local ficaram manchas de sangue.
G1

terça-feira, 12 de março de 2019

Mãe é autuada por tortura, após sufocar e colocar filha de joelhos com tijolo na cabeça; veja vídeo

Uma mãe foi filmada maltratando a própria filha de 6 anos em Xinguara, no sudeste do Pará. Ela acabou perdendo a guarda da criança, que foi levada pelo Conselho Tutelar. Um inquérito foi instaurado pelo crime de tortura.
As imagens circulam nas redes sociais, mostrando a mulher batendo e sufocando a filha com um pedaço de pano. Em outro vídeo, a criança aparece de joelhos em cima de pedras, com um tijolo na cabeça. Veja no vídeo abaixo.
Os dois vídeos foram gravados e divulgados por um vizinho e chegaram até a Polícia. A mulher foi intimada a comparecer na delegacia de Xinguara. Ao delegado Max Müller, a mulher disse que estava educando a filha.
O Conselho Tutelar também tomou conhecimento do caso quando os vídeos vieram à tona. A mãe foi notificada e a criança foi levada para um abrigo.
A Comissão dos Direitos Humanos, da Ordem de Advogados do Brasil (OAB), acompanha o caso e considera que houve abuso por parte da mãe.
O caso deve ser enviado ao fórum para análise da Justiça e, em seguida, ao Ministério Público do Pará (MPPA) que poderá oferecer denúncia ou pedir o arquivamento.
A mulher não foi encontrada em casa para dar entrevista nas duas vezes que a reportagem foi até o local para fazer contato.Itambé Agora

segunda-feira, 11 de março de 2019

“Oito minutos depois de minha mãe sair, ele foi estuprar minha avó”

“Oito minutos depois de minha mãe sair, ele foi estuprar minha avó”

Maria Talita: relato da garota ganhou repercussão nas redes sociais (Facebook/Reprodução)

São Paulo – Neste sábado (10), uma história triste tomou conta das redes sociais: Maria Talita* compartilhou em seu perfil no Facebook que a avó dela, de 101 anos, havia sido estuprada.
.

Leia, na íntegra, o relato de Maria Talita:

“No final do ano passado, a minha mãe desconfiou do meu padrasto. Até então a gente não tinha nenhum tipo de desconfiança, porque ele sempre foi uma pessoa que mostrava uma boa conduta, uma boa índole. A gente nunca imaginava que uma pessoa de tanto tempo de convívio ia fazer uma coisa desse tipo.”
“Minha vó tem 101 anos. A gente não costumava e não costuma deixa-la sozinha até hoje. Minha irmã estuda em tempo integral, e eu trabalho o dia todo. Fica a minha mãe, meu padrasto e ela.”
“Um certo dia, no ano passado, minha mãe veio a uma agência bancária em Vitória de Santo Antão. Eu vim com a minha mãe, ficou minha vó e meu padrasto em casa. Quando minha mãe voltou, ela notou diferença, porque minha vó estava de banho tomado e a calcinha dela estava lavada.”
“Minha vó não toma banho sozinha, alguém tem de ir com ela, porque ela pode cair e se machucar. Às vezes ela não consegue nem ficar em pé sozinha. Essa foi a primeira desconfiança.”
“No dia 4 de janeiro, minha mãe fez uma viagem para a casa de uma amiga de mais de 20 anos que estava se mudando. Era a despedida dela. A cidade fica a mais de 200 quilômetros, é distante. Minha mãe teria que dormir na casa dela para voltar no outro dia. Nesse dia que minha mãe saiu, só ficou minha irmã, meu padrasto, que é pai dela, e minha avó.”
“Nesse dia, minha irmã flagrou o pai dela no quarto de minha avó às 3h da manhã só de cueca, ela sem calcinha e triste. Ele se escondeu atrás da porta. Minha irmã tentava fechar e ele puxava para que permanecesse aberta para que não visse que ele estava atrás da porta.”
“Nesse dia, a minha mãe teve uma desconfiança maior e conversou com a família, eu, meu esposo e minha irmã, e decidiu colocar a câmera de segurança. Colocou no quarto e na casa toda. Minha mãe pediu as câmeras no dia 1.º de janeiro. Como foi pela internet, demorou um pouco para chegar. Chegou no final de fevereiro, só que ele permanecia muito em casa e não tinha como instalar sem que ele visse.”
“A gente esperou um dia que ele saiu para colocar as câmeras para que quando ele chegasse, ele não notasse a diferença. Eram microcâmeras. A gente conseguiu instalar no domingo de carnaval. Até então, minha vó não ficava sozinha com ele de jeito algum, porque a desconfiança estava grande.”
“Na terça-feira de carnaval, à noite, minha mãe saiu. A gente recebia as imagens ao vivo no celular: no meu, no da minha mãe e no da minha irmã. Quando foi 21h30, aconteceu o primeiro ato. Ele entrou no quarto e a gente viu que ele estava estuprando ela.”
“Só que nessa filmagem não mostrava o rosto da minha avó, porque a minha avó estava dormindo. Não dava para ver o rosto dela, mas dava para ver pelos atos que era um estupro. A gente conversou com estudantes de Direito, que disseram que seria uma prova mais convicta, um flagrante se mostrasse o rosto dela e o rosto dele.”
“Na quarta (6 de março), a gente passou o dia todo angustiada. Foi um dia horrível. Na quinta (7), a gente já pensou em levar essas fotos mesmo sem estarem boas para a delegacia. Ele ia trabalhar meio-dia. Minha mãe estava em casa. Ele almoçou, normalmente.”
“Os dois iam sair no mesmo horário. Ele estava fechando o portão para sair em seguida da minha mãe. Ele resolveu voltar e minha mãe saiu para ir a Vitória (de Santo Antão). Oito minutos após minha mãe sair, ele foi estuprar minha avó. A gente viu pelo telefone, já tínhamos mudado as câmeras de lugar. Ficamos desesperadas, começamos a chorar.”
“A gente tremia, minha mãe quase desmaiou. Quando a gente chegou em Vitória, eu pesquisei a Delegacia da Mulher mais próxima. A gente ia ser mais bem atendida lá. Pegamos um táxi e fomos para a delegacia. Foi feito o flagrante.”
“Prenderam no local de trabalho. Era para ele começar meio-dia, ele chegou 15 ou 20 minutos atrasado. A irmã dele disse que minha mãe acabou com a vida dele e bateu nela na delegacia. Foi presa também em flagrante pela Lei Maria da Penha e solta depois de pagar fiança.”
“Ela pediu para que a minha mãe falasse que a minha avó permitia, pediu para levar minha avó para a delegacia para que ela falasse isso. Na sexta, a defesa dele usou essa história, disse que um era apaixonado pelo outro, que não foi um estupro, que ela pediu.”
“Ela tem 101 anos, é impossível que alguém acredite nessa história. Isso me doeu, eu imaginava que ele ia pedir desculpas, perdão por ter feito uma barbaridade dessa. Ele continua preso. No dia em que ele foi preso, a gente ligou para a nossa advogada, que disse que a gente deveria ter feito isso antes, na primeira vez que a gente viu, mas que a nossa atitude foi boa, porque muita gente esconde.”
“Minha avó demonstra tristeza, chora. Ela não é consciente, fala que tem 15 anos, brinca de boneca. A gente nem tem animais, ela vê animais. Ela fala, pede água, quando está com sede, mas ela não consegue manter uma conversa.”
“A gente notou que desde que ele não se encontra mais em casa, ela está demonstrando mais alegria. Ela quer ficar mais com a gente na sala, antes ela não ficava. Quando ela ia dormir, ela vestia duas, três roupas, com medo. Ontem, ela foi dormir só com uma roupa. A gente tenta ser forte, não demonstrar tristeza, fica tentando fazer ela rir para que ela esqueça o que aconteceu e a gente siga em frente.”
(*Maria Talita Bernardo Silva Araújo, de 21 anos, é neta da mulher de 101 anos estuprada pelo genro no município de Pombos, em Pernambuco. José Bezerra da Silva, o ‘Dé’, de 44 anos, foi preso na sexta-feira, 8. O caso é investigado pela Delegacia da Mulher da cidade de Vitória de Santo Antão, a 15 quilômetros de Pombos e a 53 quilômetros de Recife.)
Fonte: https://exame.abril.com.br/brasil/oito-minutos-depois-de-minha-mae-sair-ele-foi-estuprar-minha-avo/?fbclid=IwAR0AXyjlNjfTiqYO93IF5F8F7j1eXTeycgWJudv2w8hpJIl1MRYmAZCMN5Q

Mais um feminicídio, até quando? Mulher é morta pelo namorado horas após registrar queixa contra ele

Mais um feminicídio, até quando? Mulher é morta pelo namorado horas após registrar queixa contra ele
Lidiane Oliveira foi morta a facadas pelo namorado, em Ponta Grossa, no Paraná Foto: Facebook/Reprodução
Lidiane Oliveira foi morta a facadas pelo namorado, em Ponta Grossa, no Paraná Foto: Facebook/Reprodução

Poucas horas após registrar queixa contra o namorado, uma mulher foi morta a facadas por ele dentro de casa, em Ponta Grossa, no Paraná, na madrugada deste domingo. O autor do feminicídio, Jhonatan Campos, de 22 anos, também desferiu golpes de faca na mãe dela, de 60 anos, que está internada no Hospital Regional da cidade.
Agentes da 13ª Subdivisão Policial (SDP) realizam diligências para localizá-lo. Segundo o delegado Nagib Palma, Lidiane Oliveira, de 24 anos, já morava no município, mas Jhonatan se mudou há cerca de cinco meses. Ele começou a namorá-la e depois passou a morar na casa onde ela vivia com a mãe.
Na noite de sábado, o casal tinha ido para um bar e, na volta, houve uma discussão. O delegado disse que a briga foi, provavelmente, motivada por ciúmes. Na ocasião, Jhonatan quebrou um objeto e a jovem saiu de casa para chamar a Polícia Militar, que foi ao local e registrou um boletim de ocorrência.
— Mas cerca de uma ou duas horas depois, o rapaz conseguiu voltar e entrou pelos fundos da casa. Talvez a porta estivesse aberta ou ele tivesse a chave. A vítima estava no banho, foi esfaqueada, e saiu pedindo socorro, mas infelizmente não resistiu. A mãe tentou ajudar a filha, mas foi esfaqueada também. Ela foi levada para o Hospital Regional — disse o delegado.
Nas redes sociais, amigos de Lidiane lamentam o ocorrido e cobram justiça. Eles compartilharam imagens de Jhonatan e um print de um post atribuído a ele, feito na última sexta-feira, quando foi celebrado o Dia Internacional da Mulher. A declaração de amor chamou atenção por ter sido feita praticamente no dia anterior ao feminicídio.
"Então hoje é dia das mulheres né, mas especialmente dessa mulher que divido uma vida, essa mulher maravilha, dedicada, objetiva e estupenda, uma mulher que qualquer homem queria ter. Todos tempos uma mulher que amamos, sendo ela mãe, amiga, namorada ou esposa, eu tenho a minha, a mulher da minha vida, que me apaixono todos os dias e sou grato por ela estar comigo, feliz dia da mulher. Eu amo você", diz a publicação.
Palma frisou que aumentaram os crimes de feminicídio. Segundo ele, na Operação Respeito, realizada pela Polícia Civil do Paraná, na última sexta-feira, com o objetivo de combater crimes contra a mulher, Ponta Grossa foi a cidade que mais prendeu por violencia doméstica, empatando com Curitiba. A operação prendeu, em todo o  estado, 176 homens em flagrante, sendo dois por tentativas de feminicídio e dois por feminicídio.
— Os crimes contra a mulher são difíceis para a polícia prevenir. O autor se aproveita da intimidade e da proximidade que tem com a vítima. Ele age com covardia. As mulheres devem identificar os perfis de seus companheiros e procurar se afastar quando notam agressividade, para que sejam tomadas as medidas cabíveis — afirmou o delegado.
Fonte: O Globo